Fortalecendo um jovem para investir em atividade empresarial

O Cliente e sua Questão: o medo de fracassar impedia o cliente S de tomar importantes decisões de mudança profissional. Dizia-se saturado, desejoso de sair do emprego atual e de criar empresa própria, mas um receio de falhar o tolhia. 

A Constelação: pelo espelhamento da questão de S, através de cenas com representantes dele e de familiares, viu-se que S se identificava com o tio K, irmão de sua mãe, que fracassara nos negócios. O tio participara da direção da empresa do avô, em conjunto com o fundador, tendo sido demitido por ele, por má administração. O avô materno colocara a mãe de S no posto do tio K, resultando no ressentimento do irmão para com ela e para com S, seu sobrinho. A mãe de S se sentia muito pesarosa e claramente desejosa da reaproximação entre o pai e o irmão. 

O representante de S na Constelação Familiar intuitivamente disse: “Depois do fracasso do meu tio, eu não posso falhar, vou encarar e avançar“. 

Viu-se, nas cenas sucessivas dos representantes, que avançar estava exigindo de S um grande esforço. Não sentia o apoio do pai, este não acreditava no seu sucesso em negócios. S temia desapontá-lo, mostrando-se incapaz, como o tio. A mãe apoiava o filho, mas o vigor desse apoio se insuficiente, sua energia se esvaia na preocupação em mediar o relacionamento entre o pai e o irmão. 

O avô materno de S não se sensibilizava com a frustração do filho K. Este guardava do pai rancor e mágoa, sentia que o pai não o havia apoiado na superação das dificuldades na administração da empresa. Na dureza do coração do avô de S se escondia o medo do seu próprio fracasso, como ocorrera com alguns de seus antepassados. 

Mudanças foram brotando, a partir do momento em que o avô materno de S se compadeceu pelo sofrimento do neto e se identificou com seu anseio. A partir do amor, o avô percebeu seu neto sobrecarregado pelas frustrações e os medos vindos das várias gerações da sua família. 

Desejoso de liberá-lo de responsabilidades que não lhe pertenciam, o avô reverenciou seus antepassados que haviam fracassado e lhes pediu que abençoassem seus descendentes, lhes permitindo alcançar o sucesso. Ao fazê-lo, seu coração se abriu mais e ele conseguiu admitir ter tido descaso em apoiar o filho K, o que levou à reconciliação de ambos. Então, o tio passou a ver o sobrinho com afeto e o abençoou. 

S, aliviado, agradeceu pela vida que recebeu das gerações que o precederam e reverenciou a todas, independentemente de terem ou não tido sucesso. A partir daí, mãe de S se sentiu aliviada, confiante, forte e disponível para apoiar o filho. O pai conseguiu reconhecer seu potencial e manifestou confiança nele. S agradeceu o apoio da mãe, liberou-se de julgar a atitude anterior do pai e manifestou respeito a ele. S disse ter adquirido clareza sobre a fonte de seus medos e sentir-se mais leve, liberado das questões de origem familiar. Disse sentir-se fortalecido para tomar suas decisões profissionais, a partir do exame objetivo de oportunidades e riscos. 

Benefícios: um mês depois, S manifestou-se alegre e ativo, interessado por exercer suas funções de empregado na empresa atual, na qual reconheceu ser valorizado. Mantinha a intenção de sair da empresa, por isso estava ensinando a profissionais novatos suas habilidades, para não prejudicar seu empregador quando se demitir. Havia retomado contato com colegas de faculdade, estava estudando ideias, visando criar uma empresa, talvez em parceria com algum deles.