Identidade e Autoestima

Diversos clientes cuja angústia era a de nunca se sentirem realizados como pessoa evidenciaram, através da constelação, que havia uma questão que antecedia a da autorealização: uma obscura consciência de identidade.

Em alguns desses casos, revelou-se confusão entre a identidade do cliente e a de algum irmão ou irmã que morrera precocemente e antecedera ao nascimento do cliente. O sofrimento, por vezes a culpa escondida no coração dos pais, não permitira o luto nem sequer uma aceitação profunda dessa morte. Inconscientemente procuraram apagar da memória a criança, sem se dar conta passaram a colocar noutro filho ou filha a expectativa de preenchimento do vazio e dor.

A liberação desses apegos trouxe a cura, por meio de várias mudanças interiores: admissão dos fatos pelos pais, reintegração da criança na família, admissão de culpas, aceitação do destino da criança, luto do casal.

Então, tornou-se possível resgatar a identidade própria e única da cliente por seus pais. Estes reconheceram o mal causado ao filho ou filha, garantindo-lhe o amor paternal.

A colocação da constelação tem fortalecido o descendente em assumir a sua identidade, autoestima, a fé na vida, a confiança e disposição interior ao vínculo amoroso, escolher objetivos de vida, restaurar a força de alma para sustentar a realização de propósitos.

Facilitadora: Maristela de André