Leveza

O Ser tinha uma alma.

Sua vida estava nela.

O corpo era da alma, só dela.

A alma queria ser livre.

Quem sorria, chorava e dançava, era ela.

O corpo acompanhava a donzela.

Um dia, este, acabado,

Depois de haver muito dançado,

despenca no chão.

Quantos Ais !

No entanto,

baila a bela,

resta a alma, só ela,

nada mais. 

Luana de A. Santana