Constelaçôes Associadas a Outras Abordagens, na Revista Conexão Sistêmica Sul - n°1 / 2011 - por Maristela de André

CONSTELAÇÕES ORGANIZACIONAIS E FAMILIARES ASSOCIADAS A OUTRAS ABORDAGENS TERAPEUTICAS:

RELATO DE CASOS E BENEFÍCIOS OBSERVADOS

 

INTRODUÇÃO

 

O objetivo deste artigo é compartilhar minhas experiências profissionais, caracterizando o cliente, suas demandas, o trabalho realizado e os frutos colhidos pelo cliente. São trabalhos de natureza terapêutica, de assessoria profissional e de consultoria empresarial, apoiadas em Constelações Sistêmicas Familiares e Organizacionais. O apoio oferecido procurou atender às demandas de cada cliente, cultivando uma visão sistêmica. O cliente foi acompanhado em seu processo de superação de questões pessoais e profissionais durante o período que consta de cada relato. 

Os casos (I) e (II) envolveram Constelações Familiares e Organizacionais. O relato do caso (I) apresenta detalhes omitidos nos demais, relativos ao processo de uma Constelação Familiar - Organizacional (1ª etapa) e de outra tipicamente Organizacional (2ª etapa). O caso (II) mostra em linhas gerais um processo de apoio à cliente por um ano e procura indicar a integração de inúmeros recursos, no atendimento às demandas pessoais, profissionais e empresariais que ela foi trazendo. Os casos (III), (IV) e (V) são de orientação pessoal e profissional, utilizando-se apenas Constelações Familiares, em um ou dois eventos terapêuticos. 

Os clientes objeto deste compartilhamento autorizaram a divulgação do relato, nos termos em que consta deste artigo. 

CONSTELAÇÕES ORGANIZACIONAIS E FAMILIARES ASSOCIADAS A OUTRAS ABORDAGENS TERAPEUTICAS:

RELATO DE CASOS E BENEFÍCIOS OBSERVADOS

 

INTRODUÇÃO

 

O objetivo deste artigo é compartilhar minhas experiências profissionais, caracterizando o cliente, suas demandas, o trabalho realizado e os frutos colhidos pelo cliente. São trabalhos de natureza terapêutica, de assessoria profissional e de consultoria empresarial, apoiadas em Constelações Sistêmicas Familiares e Organizacionais. O apoio oferecido procurou atender às demandas de cada cliente, cultivando uma visão sistêmica. O cliente foi acompanhado em seu processo de superação de questões pessoais e profissionais durante o período que consta de cada relato. 

Os casos (I) e (II) envolveram Constelações Familiares e Organizacionais. O relato do caso (I) apresenta detalhes omitidos nos demais, relativos ao processo de uma Constelação Familiar - Organizacional (1ª etapa) e de outra tipicamente Organizacional (2ª etapa). O caso (II) mostra em linhas gerais um processo de apoio à cliente por um ano e procura indicar a integração de inúmeros recursos, no atendimento às demandas pessoais, profissionais e empresariais que ela foi trazendo. Os casos (III), (IV) e (V) são de orientação pessoal e profissional, utilizando-se apenas Constelações Familiares, em um ou dois eventos terapêuticos. 

Os clientes objeto deste compartilhamento autorizaram a divulgação do relato, nos termos em que consta deste artigo. 

Caso I

I) ASSESSORIA A DIRETOR DE UMA EMPRESA DE SELEÇÃO E TREINAMENTO DE PROFISSIONAIS

2009-2010

 

1º Etapa da Assessoria 

O Cliente da Assessoria: o Diretor de Vendas de uma empresa X. Produz Serviços de Treinamento de Profissionais. Os clientes são empresas que contratam cursos dirigidos a seus funcionários. A Diretoria de Vendas e a de Implantação de Cursos são ambas subordinadas a uma Diretoria Geral de Cursos. A empresa X tem presença significativa no mercado de seleção de profissionais para empresas, sendo que a área de cursos é nova na empresa. 

A Questão: insatisfação crônica da empresa X com o desempenho das vendas de cursos, com risco de extinção das Diretorias: Geral de Cursos, de Vendas e de Implantação de Cursos. 

Revelações da Constelação Organizacional: os clientes potenciais da empresa X mostravam interesse nos cursos oferecidos, mas não sentiam confiança na capacidade de realização do diretor de vendas. Este demonstrava grande interesse nos clientes e confiava na qualidade dos produtos que oferecia. Sentia-se, porém, inibido perante os clientes. A cobrança do Diretor Geral de Cursos aumentava a insegurança do Diretor de Vendas e a presença daquele não favorecia a confiança dos clientes potenciais. A Diretoria de Implantação dos Cursos se sentia desacompanhada, pois seu chefe imediato, o Diretor Geral, concentrava sua atenção exclusivamente na área de vendas. Diretor de Vendas foi se sentindo acuado, impotente com a presença dos clientes potenciais, do Diretor Geral e do Diretor de Implantação. Mais acuado se tornou ao ser representado na cena o Presidente da empresa.

Diante da percepção dessa fragilidade, foi preciso fortalecer o Diretor de Vendas como pessoa, como pré-condição para a melhoria de seu desempenho profissional. 

Para tanto foi realizada uma Constelação Familiar para o Diretor de Vendas, cliente deste relato. A Constelação Familiar é relatada a seguir. Após a mesma, o Diretor de Vendas foi reconduzido ao contexto da empresa e o processo da Constelação Organizacional prosseguiu, trazendo os frutos descritos adiante. 

Por separação de seus pais, o pai havia se afastado dele, quando tinha seis anos de idade. O filho sentiu sua falta e guardou mágoas. A força masculina que seria transmitida por um pai presente e amoroso faltara ao filho. Foi efetuada a reconciliação do cliente com seu pai, com o apoio do avô paterno que demonstrou carinho pelo neto. O cliente resgatou a força dos ancestrais da linhagem paterna. A força materna já estava presente nele, pois sua mãe sempre lhe dera um apoio notável. O cliente pode voltar, fortalecido, a se investir das funções de Diretor de Vendas. Os clientes potenciais manifestaram, então, confiança nele. O Diretor Geral mostrou confiança nele e lhe concedeu maior autonomia, passando a dar maior atenção à Diretoria de Implantação de Cursos. 

Benefícios da 1ª Etapa da Assessoria Sistêmica: 

Quarenta dias depois, o cliente deste relato (Diretor de Vendas), informou que se sentia renovado e feliz, notava a surpresa de sua equipe, com sua postura ativa, determinada, atenta a resultados, firme em decidir situações conflituosas, em orientar e em supervisionar a todos. Nesse curto período, tinha havido a demissão de membros da equipe, que não se adequaram à nova postura do diretor. A Diretoria Geral de cursos agora promovia reuniões semanais, dando oportunidade a que o Diretor de Vendas, estimulasse a equipe da Diretoria de Implantação, o que tornou mais leve a função da equipe de vendas. Os resultados estavam começando a se manifestar na reação positiva das vendas. 

No âmbito da vida afetiva, o cliente relatou mudanças promissoras: sua tendência em criticar o pai se dissipou, dando lugar a uma compreensão afetiva nova. Passou a sentir interesse em compartilhar da vida do pai, frequentando sua companhia. Percebia o pai interessado e carinhoso para com ele. 

Um ano depois a cliente relatou que as vendas haviam crescido em 40%. Tal sucesso estava gerando novas questões profissionais e ele solicitou o apoio de uma assessoria por Constelações Sistêmicas. A seu ver, sua equipe estava estressada demais e, também, ele antevia dificuldades na implantação de novos cursos. O colegiado superior da empresa estava pressionando por metas ousadas de crescimento das vendas. 

2ª Etapa da Assessoria Sistêmica 

Nova Meta de Vendas: Viabilidade Institucional 

A sustentabilidade da Diretoria Geral de Cursos foi representada numa cena em que foram representados três pilares: a Missão (M), as Competências (C) e a Qualidade dos Relacionamentos Interpessoais (R). 

Representada perante esses pilares da organização, verificou-se que a nova Meta de Vendas não se sustentava. 

Pesquisa sobre desequilíbrios entre os pilares (M-C-R) (Missão-Competências-Relacionamentos), geradores de empecilhos à Meta de Vendas, constatou que não havia problemas quanto às Competências para o exercício das funções, mas havia dificuldades nos Relacionamentos, no âmbito interno da Diretoria de Vendas. 

O cliente deste relato apontou que estava inseguro quanto à adequação de uma recente decisão sua, de demitir um funcionário que estava em fase de teste na empresa. Embora bem capacitado, fora demitido por estar gerando desavenças no seio da equipe de Vendas e com a equipe de Implantação de Cursos. 

Foi testada, na Constelação Sistêmica, a pertinência dessa demissão e esta se confirmou. Para tanto, foram considerados os pilares de equilíbrio da Diretoria Geral de Cursos (M-C-R). Constatou-se que o demitido não se alinhava à Missão (M) da Diretoria Geral e que se comportava como agente desagregador dos Relacionamentos (R). O Diretor de Vendas sentiu-se aliviado e fortalecido com a confirmação de sua decisão. Sem esse obstáculo, a meta de vendas mostrou-se afinada com (M-C-R), pilares sustentadores da Diretoria Geral de Cursos. 

Nova Meta de Vendas: Viabilidade frente ao Mercado Potencial 

Constatou-se que a meta de vendas era ambiciosa demais para o atual nível de desempenho da equipe de vendas. A sondagem de causas indicou a necessidade de melhoria na estratégia de vendas, por uma diferenciação por categoria de mercado, passando a pesquisar as necessidades específicas de cada mercado. O cliente (Diretor de Vendas) reconheceu também que sua equipe vivia sobrecarregada por tarefas de assistência à equipe de Implantação, das quais poderá ser aliviada, na medida em que o Diretor Geral de Cursos passe a intensificar o treinamento da equipe da Diretoria de Implantação. 

A Constelação Sistêmica confirmou a necessidade de ampliação da equipe de Vendas. Trouxe o alerta para uma maior qualidade no recrutamento de colaboradores e no processo de integração de novos profissionais. 

 

Caso II

II) ASSESSORIA A UMA EMPRESÁRIA E CONSULTORIA A SUA INDÚSTRIA DE PRODUTOS ALIMENTÍCEOS

2008-2009 

A Cliente e Suas Questões 

Mulher de 37 anos. Originária de uma pequena cidade do interior do estado da Bahia, desejosa de fazer sua vida longe da família de origem. Migrara sozinha para a metrópole de São Paulo e conseguira realizar a façanha de criar e gerenciar uma empresa de pequeno porte. Sua formação escolar era de nível médio e estava cursando faculdade de direito. Fora treinada pela mãe na arte de dirigir um pequeno restaurante familiar. A empresa, com 12 anos de funcionamento, fornecia refeições a funcionários de empresas clientes, utilizando cozinha industrial instalada em cada cliente. 

A cliente se ressentia de muita solidão na vida pessoal, aspirava constituir família e ter filhos, dizia-se infeliz na escolha de parceiros, realizara vários abortos. Mostrava-se também angustiada com o futuro de sua empresa, fora competente em criar e em dirigir a empresa na etapa heroica. Agora era a etapa de fortalecimento estrutural como base para prosseguir crescendo. A empresária encontrava dificuldades em sustentar o desempenho da empresa e a sua expansão. Pretendia contar com uma estrutura organizacional estável que ela própria administrasse e ao mesmo tempo capitanear uma ampliação para novos clientes empresariais. Uma de suas aspirações era instalar cozinha industrial própria para atender aos operários de obras de Construção Civil. 

O Trabalho Realizado 

Na etapa inicial, foi essencial ao fortalecimento pessoal da cliente com o suporte de seções individuais de psicoterapia e algumas grupais, de Constelações Sistêmicas Familiares. Seu relacionamento conflituoso com a mãe e o emaranhamento com o pai, irresponsável para com a família, foram liberados. 

Foi também ministrada uma assessoria profissional que contribuiu para que a empresária identificasse problemas na gestão operacional, no sistema de abastecimento e na gestão financeira da empresa e decidisse adiar planos de expansão e focar sua atenção no fortalecimento da sua equipe e na reestruturação da empresa. 

Foi necessária assessoria sistêmica pessoal à dirigente, para a melhoria de seus processos decisórios. O processo de consultoria sistêmica à empresa se estendeu a cerca de 10 meses. O principal instrumento foi o de Constelações Sistêmicas Organizacionais, envolvendo a gestora e também sua equipe de colaboradores. Dentre os recursos de apoio utilizados constaram dinâmicas de grupo, jogos cooperativos e sociodramas. Foi importante a redefinição de princípios e de valores da empresa, a reestruturação e o fortalecimento da equipe inicial. 

Benefícios 

A empresária e diretora da empresa se tornou preparada para administrar conflitos com colaboradores e com clientes e para reestruturar administrativa e financeiramente a empresa. Houve exclusão de colaboradores e inclusão de novos, com perfil pessoal e profissional mais adequado às competências requeridas e aos valores da organização. Nossa consultoria fortaleceu na empresária a decisão de passar a utilizar sistematicamente parceiros externos: de consultoria financeira, de marketing e de arregimentação de pessoal. 

Um ano depois a empresa estava consolidada. Uma assessoria de “marketing” passou a trazer novos clientes e a implantação de novas cozinhas industriais já duplicava as receitas mensais do início da consultoria sistêmica. A proprietária estava em processo de aquisição de terreno para futuras instalações de cozinha industrial própria, visando ampliar o fornecimento de refeições “in loco”, para obras de Construção Civil. 

Durante o segundo ano, no âmbito da sua vida pessoal, a cliente já havia se reconciliado com sua mãe, com a qual tivera conflitos, havia se libertado de um emaranhamento sistêmico com o pai, havia construído pela primeira vez na vida um relacionamento estável com um homem e estava grávida do seu primeiro filho. Vinicius nasceu dentro de alguns meses depois deste relato. O casamento e a maternidade eram aspirações que a cliente manifestava desde o primeiro dia em que procurou o nosso apoio.

 

Caso III

III) SOBRE O SUCESSO PROFISSIONAL DE UMA ARTISTA

2008-2010 

A cliente e sua questão: a jovem L se dedicava à fotografia artística há três anos, depois de ter atuado com outras atividades profissionais. Sentia-se plenamente realizada nessa ocupação, mas se ressentia pela falta de reconhecimento profissional e pelo insuficiente resultado econômico. 

Três anos antes ela havia sido cliente da terapia por Constelações Sistêmicas Familiares e sua queixa havia sido de que uma fraqueza vital crônica a acompanhava desde a infância, a medicina não tinha identificado causas orgânicas. Frequentemente era deflagrada por situações profissionais em que se sentia ansiosa, exigida, inadequada. Naquela ocasião a terapia por Constelações Familiares contribuiu para a sua revitalização e seu estímulo, os sintomas psico - físicos se reduziram e L decidiu mudar de área profissional, assumir a fotografia artística como profissão e há três anos vinha investindo no projeto.

Na ocasião deste relato, L buscou, na terapia por Constelações Sistêmicas, apoio ao sucesso profissional como fotógrafa. 

Na sua colocação da Constelação Familiar, destacou-se o apoio que a mãe sempre lhe deu e seu profundo vinculo afetivo com o pai, já falecido. Pela reação dos representantes, surgiu a suspeita de que a lealdade ao pai estivesse limitando a filha na colheita de bons resultados numa área artística. Ele tivera fortes dons artísticos, desejava dedicar-se à escultura, mas nunca investira na área, acreditava que isso o impediria de sustentar a família e de ter reconhecimento familiar e social. O pai de L tivera saúde frágil, era deficiente físico, viera do Japão quando bebê e correra risco de vida na viagem. Havia aprendido a superar suas limitações com persistência e destemor. Dedicou - se inteiramente à profissão de contador de empresas e foi bem sucedido, mas a filha o percebia como um homem triste. O pai via o pendor artístico da filha e também a fragilidade de saúde, ele a desestimulava a investir em áreas artísticas. 

A terapia por Constelações Sistêmicas permitiu o resgate da força do pai e dos seus ancestrais japoneses. Através do amor do pai, ela recebeu suas bênçãos, para ser bem sucedida com sua arte. No evento terapêutico por Constelações Sistêmicas surgiu a inspiração de que L prestasse homenagem ao pai, através do trabalho de artista, tornando-o valioso ao espelhar a alma da cultura japonesa, da família paterna e também da materna. Com tal foco, sua arte adquiria identidade própria, expressão subjetiva da amálgama de tradições do Japão, com a cultura e a arte contemporâneas do Brasil, pátria da jovem L. 

Benefícios: cerca de dois meses após o evento terapêutico, a jovem relatou que depois do evento tivera um curto período de inquietudes, com episódios de febres e de fraqueza vital. Recuperou-se e ousou apresentar seu trabalho à curadora de uma galeria de arte contemporânea de São Paulo. A obra foi apreciada e L recebeu convite para apresentar suas fotos num festival internacional de arte na Itália, o que foi realizado meses depois. Recebeu também proposta da publicação de um livro, a ser oferecido para venda no festival. Um novo horizonte se abriu para a jovem L.

 

Caso IV

IV) DISSOLVENDO O CONFLITO DINHEIRO & DIGNIDADE

2007 

O cliente e sua questão: Edu (nome fictício), engenheiro, trouxe para a terapia e consultoria por Constelações Sistêmicas Familiares o seu crônico desânimo e mal estar frente ao dinheiro, não conseguia se empenhar em ganhá-lo nem controlava bem sua situação econômica. A depressão minava sua vida, seu sucesso profissional como consultor estava sendo comprometido. Sentimento recorrente de repulsa ao ganho monetário era acompanhado por pensamentos de que dinheiro põe em risco a dignidade. 

A Constelação Familiar: o conflito interior de Edu revelou-se associado à sua identificação com o avô materno, cuja herança causava até então, conflitos entre os filhos e entre os netos. O avô de Edu e seus irmãos emigraram da Europa para o Brasil. O bisavô os obrigou a vir para o Brasil fazer fortuna, apesar da mágoa e dor da bisavó e da revolta de seus filhos, que obedeceram contrariados. Os filhos não voltaram à pátria e o bisavô foi definhando, não viu mais nem os filhos nem os netos. O avô de Edu veio com 13 anos, era o mais novo dos irmãos, foi o mais bem sucedido em cumprir o desejo do pai, fez fortuna no Brasil. 

Não cuidou, porém, da dignidade dos meios, qualidade que em seu coração permaneceu associada à memória da mãe. Entre a lealdade ao pai e à mãe, viveu um conflito interior não resolvido, que afetou a geração dos filhos e dos netos. O conflito se refletia, até o presente, na dificuldade frente à partilha de seus bens. 

Edu reconheceu a associação entre seu dilema dinheiro e dignidade, com uma identificação inconsciente com o avô, pelo qual tinha muito afeto. Percebeu que seus conflitos pessoais e familiares atuais faziam parte do inconsciente coletivo de sua família. 

No evento de Constelações Sistêmicas, foram realizadas cerimônias de reconciliação entre o avô e os bisavós, pais dele, bem como cerimônias de gratidão a sua pátria de origem e à brasileira. Edu manifestou reverência aos bisavós e ao avô, agradecendo o dom da vida, que recebeu através deles. Com respeito e compaixão, deixou com eles os seus destinos, sentindo-se, então, livre para assumir apenas a sua vida, agora com maior plenitude. 

Benefícios: dois meses depois Edu informou sentir-se liberado da depressão, estava mais vigoroso e animado. Estava tomando pela primeira vez, com coragem, a iniciativa de mediar com os primos, o rateio dos bens herdados do avô. Profissionalmente, Edu passou a difundir seu aprendizado pessoal, apoiando pessoas com dificuldades semelhantes às suas. Entre suas atividades profissionais está hoje a de consultor na mediação de conflitos entre pessoas.

Caso V

 V) FORTALECENDOUM JOVEM PARA INVESTIR EM ATIVIDADE EMPRESARIAL

2007

 

O Cliente e sua Questão: o medo de fracassar impedia o cliente S de tomar importantes decisões de mudança profissional. Dizia-se saturado, desejoso de sair do emprego atual e de criar empresa própria, mas um receio de falhar o tolhia. 

A Constelação: pelo espelhamento da questão de S, através de cenas com representantes dele e de familiares, viu-se que S se identificava com o tio K, irmão de sua mãe, que fracassara nos negócios. O tio participara da direção da empresa do avô, em conjunto com o fundador, tendo sido demitido por ele, por má administração. O avô materno colocara a mãe de S no posto do tio K, resultando no ressentimento do irmão para com ela e para com S, seu sobrinho. A mãe de S se sentia muito pesarosa e claramente desejosa da reaproximação entre o pai e o irmão. 

O representante de S na Constelação Familiar intuitivamente disse: “Depois do fracasso do meu tio, eu não posso falhar, vou encarar e avançar“. 

Viu-se, nas cenas sucessivas dos representantes, que avançar estava exigindo de S um grande esforço. Não sentia o apoio do pai, este não acreditava no seu sucesso em negócios. S temia desapontá-lo, mostrando-se incapaz, como o tio. A mãe apoiava o filho, mas o vigor desse apoio se insuficiente, sua energia se esvaia na preocupação em mediar o relacionamento entre o pai e o irmão. 

O avô materno de S não se sensibilizava com a frustração do filho K. Este guardava do pai rancor e mágoa, sentia que o pai não o havia apoiado na superação das dificuldades na administração da empresa. Na dureza do coração do avô de S se escondia o medo do seu próprio fracasso, como ocorrera com alguns de seus antepassados. 

Mudanças foram brotando, a partir do momento em que o avô materno de S se compadeceu pelo sofrimento do neto e se identificou com seu anseio. A partir do amor, o avô percebeu seu neto sobrecarregado pelas frustrações e os medos vindos das várias gerações da sua família. 

Desejoso de liberá-lo de responsabilidades que não lhe pertenciam, o avô reverenciou seus antepassados que haviam fracassado e lhes pediu que abençoassem seus descendentes, lhes permitindo alcançar o sucesso. Ao fazê-lo, seu coração se abriu mais e ele conseguiu admitir ter tido descaso em apoiar o filho K, o que levou à reconciliação de ambos. Então, o tio passou a ver o sobrinho com afeto e o abençoou. 

S, aliviado, agradeceu pela vida que recebeu das gerações que o precederam e reverenciou a todas, independentemente de terem ou não tido sucesso. A partir daí, mãe de S se sentiu aliviada, confiante, forte e disponível para apoiar o filho. O pai conseguiu reconhecer seu potencial e manifestou confiança nele. S agradeceu o apoio da mãe, liberou-se de julgar a atitude anterior do pai e manifestou respeito a ele. S disse ter adquirido clareza sobre a fonte de seus medos e sentir-se mais leve, liberado das questões de origem familiar. Disse sentir-se fortalecido para tomar suas decisões profissionais, a partir do exame objetivo de oportunidades e riscos. 

Benefícios: um mês depois, S manifestou-se alegre e ativo, interessado por exercer suas funções de empregado na empresa atual, na qual reconheceu ser valorizado. Mantinha a intenção de sair da empresa, por isso estava ensinando a profissionais novatos suas habilidades, para não prejudicar seu empregador quando se demitir. Havia retomado contato com colegas de faculdade, estava estudando ideias, visando criar uma empresa, talvez em parceria com algum deles.

Currículo

CURRÍCULO DA AUTORA: 

MARISTELA AFONSO DE ANDRÉ (CRT: 24962, CREA: 0619677303)

Atividades Atuais: Consteladora Familiar Sistêmica, desde 2004 (formada pelo IAG - Int. Arbeits. System. Losungen Bert Hellinger, Germany) e também Consteladora Sistêmica Organizacional e “Coach”, desde 2008 (formada por Hoffman & Part. e Infosyon, Germany). Terapeuta Transpessoal, Psico – Corporal, Psicodramatica, Consultora Organizacional. 

Formações: Pós Graduada em Psicologia Transpessoal (CESBLU-ALUBRAT), Graduada em Engenharia com Pós Graduação em Economia (PUC-SP e PUC-RJ). Formada em Psicodrama (Escola Role Playing, SP), em Bio Energética (Escola Ágora, SP), Escola DEP - Dinâmica Energética do Psiquismo (SP), Instituto Rio Abierto Internacional (B.A., Argentina), em Jogos Cooperativos (UMAPAZ-SP). 

Membro do IAGP (International Association for Group Psychotherapy & Group Process) e da ALUBRAT (Associação Luso Brasileira de Transpessoal). Membro e co-fundadora da ABC-Sistemas (Associação Brasileira de Constelações Sistêmicas). 

Atuações anteriores: foi assessora de Ministros do Governo Federal do Brasil, de Secretários Estaduais e Municipais do país, assessora de Diretorias de empresas e de institutos do Governo Federal e Estadual. Foi dirigente do IBGE (Inst. Brasileiro de Geografia e Estatística) e docente da ENAP (Escola Nacional de Administração Pública), foi pesquisadora econômico-social, autora de livros e artigos na área de administração pública e de pesquisa sócio-econômica.